A Grande Opera Publica

Following the meeting in Barcelona in 2015, after the presentation of several projects to the municipality of Agueda, the proposal was approved for the realization of the first artistic residence, which later came to be called AGITlab. A few dozen artists were invited to share this experience, which resulted in a show and several spontaneous actions in the city. Between 10 and 19 of July 2016, the city of Águeda, was filled of creators, coming from several countries.

“Public Opera” aimed at designing an opera from a residence with guest artists to work with the inhabitants of the city of Águeda. The concept was developed by Maria Garcia and Paulina Almeida.

Na sequência do encontro em Barcelona em 2015, após da apresentação de vários projetos ao município de Agueda, foi aprovada a proposta de realização da primeira residência artística, que mais tarde se veio a chamar AGITlab. Algumas dezenas de artistas foram convidados a partilhar desta experiência, que resultou num espetáculo e várias acções espontâneas na cidade. Entre 10 e 19 de Julho 2016, a cidade de Águeda, encheu-se de criadores, oriundos de vários países.

“Ópera Pública” teve como objectivo a concepção de uma ópera partindo de uma residência com artistas convidados, para trabalhar com os habitantes da cidade de Águeda. O conceito foi desenvolvido por Maria Garcia e Paulina Almeida.

Pensada para realçar o valor e processo de melhoria contínua da reabilitação da cidade, foi uma re-interpretação da sua história e leitura de contos populares vivos, as experiências de vida dos bairros, através de um processo e de uma composição de “arquitectura invisível”. Baseando-se na cidade como pano de fundo, para construir uma ópera comum, foi uma viagem lírica e teatral através de capítulos, histórias que re-interpretam o que aconteceu e o que está a acontecer.

“Ópera Pública” foi gerando coletivamente, um ponto de encontro onde o diálogo horizontal entre os habitantes da vida da cidade, constituiu uma identidade comum e única a partir do lugar. Uma metodologia, que permitiu proletarizar o conceito inscrito na ópera clássica.

Nela participaram artistas oriundos, de Portugal, Brasil, Polónia, Cabo Verde, Colombia, França, Espanha, Hungria, Alemanha, Canadá, Japão e Suíça.

O projeto seguirá para Paris, para continuar e levar a memória de Águeda, no final deste ano. Equipa Artística Malgosia Sus (Polónia); Maria Garcia (Espanha); Julien Courtial (França); Mariana Cortesão (Portugal); Dulce Duca (Espanha); Yuga Hatta (Japão); Mariana L. Ferreira (Portugal/Suécia); Josiane Lamoureux (Canada); Alexandre Seim (Canada); Biala Alicja (Polónia/Dinamarca); Janice Zadrozynski (França); Balázs Várnai (Hungria); Paulina Almeida (Portugal); Marta Ostajewska (Polónia); Christopher Fulling (EUA); Bilan (Cabo Verde). Artistas Participantes Catarina Marcos (Portugal); Chloe Dufresne (França); Anne Toulouse (Alemanha); Carlito Traceur Ribeiro (Cabo Verde); Filipa de Almeida (Portugal); Sonia Frioux (França); Malgorzata Skoczelas (Polónia); Patricija Bronic (Polónia); Camille Hoinard (França); Dea Rakovac (Polónia); Amélie Gadbois (Canada); Ewa Szewczyk (Polónia/EUA); Ulrike Baartz (Alemanha); Juan Garces (Colombia); Renata Soares (Brasil); Monika Szomko (Polónia); ?ukasz Guzy (Polónia); Mariana Sevilha Matos (Portugal); Marie Popal (Suiça).

Grande opera publica video

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s